12 setembro 2017

Recordar é Viver #19 - 1942 (NES - Arcade)






Mais uma vez um Recordar é Viver venho hoje vos brindar com um shooter que marcou muito minha infância e adolescência e era uma figurinha carimbada dos fliperamas: 1942. Criado pela Capcom lançado em 1984 para arcades e posteriormente para Nintendo no ano seguinte. O jogo recria a Batalha de Midway onde seu objetivo é chegar a Tokyo e destruir a frota japonesa usando um avião Lockheed P 38 Lighting. Curioso uma empresa japonesa fazer um game baseado numa guerra cujo seu pais perdeu.




O shooter foi um dos games que mais durou no fliperama perto de casa e figurou entre uma das opções de jogatina do fim de semana no qual minha mãe ficava num bar bebendo enquanto eu me acabava nas maquinas dos fliperamas das proximidades. Lembro que essa máquina ficou bastante tempo no fliper que eu frequentava, junto com a barulhenta Pinball Action.





Não lembro do som do game porque as outras máquinas ofuscavam os efeitos sonoros dela. Durante algum tempo foi um dos jogos que costumava jogar com frequência por lá, costumava deixar a última ficha para ela. Foi um jogo que achei como substituto do Xevious que fora tirado de circulação por lá. Acredito que ela tenha ficado até mais ou menos 1996 - 1997 no fliperama que eu frequentava, uma época em que essas máquinas antigas já não atraiam tantos jogadores e os jogos de luta 2d estavam no seu auge.





Posteriormente fui conhecer a versão do Nes no meu velho Dynavision num cartucho de multijogos que uma amiga costumava me emprestar com frequência. Lembro que tinha muitos jogos bons e marcantes. O jogo basicamente é o mesmo do Arcade: onde você tem que derrubar diversos aviões e circular de um porta aviões para outro. A versão do console Nintendo é inferior a do arcade e meio lenta, acho a movimentação do arcade e as cores bem melhores. A do Nes acaba sendo um quebra galho, mas dá pra se divertir. Além do Nes existem versões para Game Boy Color, Playstation 2, X - Box e Sega Saturn, provavelmente ports com mais qualidade e em alguns casos conversões diretas do arcade.

O jogo figurou nas multijogos que acompanhavam o videogame Dynavision, muito frequente na versão que vinha com cartucho de 64 jogos. Não importa que versão você jogue, pra quem é fã de shooter vale a pena matar o tempo com este game. Um game que deixa saudade para mim e acredito que também para muitos jogadores.



A Exposição do Santander e Questionamentos Sobre Arte





Hoje quero por em pauta o cancelamento da exposição polêmica do Santander e o conceito de Arte. O conceito básico de arte, lá na idade média, tinha uma ligação muito forte com a habilidade com as mãos. O sujeito tinha que saber desenhar, pintar ou esculpir. O objetivo era representar o mais fielmente possível a realidade. Como a fotografia veio a tomar o lugar da arte na representação da realidade os movimentos artísticos se viram livres dessa responsabilidade e as escolas mais abstratas (com o objetivo de subverter a realidade) começaram a surgir. Por isso que muitas vezes não há nem como saber se o que foi incluído no trabalho foi cuidadosamente planejado ou se o autor na verdade é insano. Nas artes plásticas isso é bem comum.

Muita gente acaba sendo respeitosa em relação a esse tipo de trabalho por puro complexo de inferioridade - por medo de não ter sido capaz de compreender a mensagem do artista. O resultado pode ser visto neste experimento, onde pessoas numa galeria de arte analisam um quadro abstrato, sem saber que na verdade ele foi pintado por crianças de 2 anos:




Ao tirar a objetividade da arte e classificamos qualquer coisa como tal, chegamos ao absurdo que vivemos no momento artístico atual. O que foi representado pela exposição Queermuseu patrocinada pelo banco Santander:



O próprio movimento Queer pelo que consta na Wikipédia é bem disperso o que dificulta a identificação de tal, mas pelo que caracteriza é uma arte Homossexual que luta pelo preconceito e direitos iguais para esse grupo, sendo que o que é colocado na exposição foi bem diferente. A dita arte nem padrão estético segue adequadamente, e limita-se a obscenidades com símbolos religiosos como na caso da hóstia com palavras como Cú e vagina escritas:


O grande problema dos artistas que seguem uma agenda ideológica é que eles não conseguem conciliar a crítica ao comportamento ofensivo, estão mais interessados no conflito que em qualquer chance de argumentar ou expor adequadamente o porquê daquilo que eles estão atacando sem uma via de resposta adequada aquele tema, isso no cinema nacional é bem comum com obras naturalistas em sua maior parte. Somente se preocupam em mostrar antipatia por determinado segmento da sociedade, sem expor uma via que poderia ser melhor para esta.

O que aconteceu foi somente um convite para o conflito entre ideologias e o pessoal da direita caiu direitinho na armadilha desse pessoal ao pedir o cancelamento da amostra, isso acaba sendo usado como munição por esse pessoal como justificativa para chamar de intolerante. Deveriam ter focado no fato do banco estar financiando a exposição com a Lei Rouanet sabe? Aquela lei feita para beneficiar artistas nacionais que nunca ajuda a incentivar os ditos cujos e somente alimenta os amiguinhos da ideologia esquerdista. Tudo que eles queriam era chamar a atenção e conseguiram com sucesso.

Aparentemente o banco deverá devolver o dinheiro, mas fica o estigma de preconceito que os grupinhos vão usar contra a dita direita para desmoralizá-la. O fato é que nem mesmo eu que achei repugnante a dita exposição acho que ela deveria ter sido proibida deveria sim continuar em cartaz, mas não utilizando o dinheiro público para tal e sim buscando financiamento e patrocínio de pessoas que compactuem com seu estilo artístico. Até pra que se mostre o tipo de cultura que esses artistas querem implantar em nossas vidas. A mim esse tipo de movimento não define minha linha de pensamento e aposto que não define a de você que está lendo aí, mas isto serve de alerta para o tipo de visão de mundo que querem insistem em implementar em nossa sociedade e que a mesma repudia com razão.

Nem todos pensam igual ou são obrigados a aceitar qualquer coisa que se denomine arte, é preciso resgatar o que é arte e principalmente saber fazer uma crítica



Recomendo para a leitura os artigos que me auxiliaram nessa postagem:








11 setembro 2017

Bob's Fun And Art Setembro 2017: Scooby Doo






Amiguinhos mais uma vez o Bob's aposta em Toy Arts: desta vez um dos personagens que mais saiu em brindes no lanche da empresa retorna para mais uma coleção - eis que falo de Scooby Doo.

Sempre apostando no formato de personagens nanicos, algo que já foi lançado com Sherk e Tartarugas Ninja aqui temos apenas Daphne, Salsicha, Scooby Doo, Vampiro e um Zumbi. Ainda praticam o preço de 9,50 por cada brinde e não me surpreenderia se eles viessem com uma presilha para prender os bonecos na mochila. Uma pena que é uma falta de criatividade quanto a repeteco de personagens inclusive lançados pelo seu concorrente esse ano em coleção muito melhor, mas ao menos são bonitinhos e ficam simpáticos em sua prateleira.

31 agosto 2017

Mc Lanche Feliz Setembro 2017 - Emoji o Filme


O site do Mc Donald's atualizaou essa semana os novos brindes: agora contamos com os personagens do filme Emoji. São 8 personagens em pelúcia para pendurar na mochila, carro...







Particularmente não vejo graça nesses personagens, nem muito sentido em um filme sobre Emojis. Mas segundo o blogueiro Nuno Mata do blog Best Toys o longa animado tem uma pegada similar ao Divertidamente, me deixou curioso.

29 agosto 2017

[Game] Macross (Guerra das Galáxias) (NES)



Guerra das Galáxias (ou Macross) foi um anime exibido pelo antigo programa Tudo Por Brinquedo da CNT/Gazeta e tinha como tema uma batalha espacial contra raças alienígenas. Pouco realmente lembro da trama, que era confusa para mim na época. Coisas me marcaram Lin Minmay em que aparece em closes nua tomando banho e o lance da protocultura que aparentemente os Aliens despertam interesse no relacionamento humano no decorrer da trama.

Esse jovem mancebo que vos fala vidrado nos animes da época deu uma chance para alguns episódios, mas ficou boiando em muitos deles. Talvez por não ser acompanhante assíduo da trama e estar mais interessado em certos defensores de Athena que estavam sendo exibidos no canal concorrente, o desenho acabou passando batido.

Mas no mercado de jogos o jogo do Nintendo 8 bits chegou daquela maneira "oficial" como conhecemos nos anos 90, através dos consoles oficiais compatíveis com o sistema Nintendo. Joguei algumas vezes em uma multijogos que uma amiga tinha com vários jogos que eu gostava e ela por sorte sempre me emprestava. O jogo era figurinha carimbada da coletânea de jogos do console Dynavision em seus últimos lançamentos:



O objetivo do jogo e entrar na nave inimiga e destruir o gerador dela desviando dos inimigos como todo jogo de navinha. O botão B atira e o botão A mais o direcional transforma sua nave em 3 etapas, cada etapa faz com que a nave desacelere e fique mais fácil (ou mais difícil) desviar dos inimigos e obstáculos. Seu objetivo é destruir o reator central da nave mãe inimiga. Destruído, você repete o processo novamente com mais dificuldade. Sendo basicamente isso: o que torna bastante repetitivo, mas desafiante:



É mais um joguinho pra passar o tempo e fazer um recorde para desafiar seus amigos, como muitos que foram lançados na época. Uma pena porque pelo desing seria bem convidativo ter maior variação de fases.

Uma gameplay do jogo:

23 agosto 2017

F1 Race (Nes)





Quando criança ia muito a fliperamas, principalmente nos fins de semana: era uma viagem a fantasia dos jogos eletrônicos dos mais diversos. Nos anos 80 quando engatinhava no mundo dos jogos e ainda não tinha videogame, um dos meus arcades favoritos era Pole Position:






Era o máximo de imersão na época em minha cidade: se me lembro bem poucos fliperarmas que tinham essa máquina. Foram momentos bacanas nessa máquina, apesar de pouco domina-la, um dos únicos que dominava na época era o shooter Xevious.

Quando fui ganhar meu primeiro videogame (Dynavision - um clone do Nintendinho, Famicon no Japão) fiquei conhecendo diversos ports de jogos de arcade dos anos 80, eis que um dia pinta o F1 Race:

O primeiro contato com o game foi num cartucho do Dynavision emprestado e me lembro bem que era um game que chegou a vir com console em algum momento de sua comercialização.





Foto acima Pole Position, abaixo F1 Race.


Os jogos eram bastante similares, acabando por me confundir na época. Pela sua similaridade com o arcade famoso da Namco lançado em 1982, o feeling é praticamente o mesmo. O objetivo é básico: completar 2 voltas em 10 pistas do jogo com um tempo pré determinado. O jogo no inicialmente é frustante: porque se você vacila e bate a demora pro carrinho voltar a pista e você voltar a controla-lo consome bastante tempo até mesmo para o carrinho voltar com uma boa velocidade.

Mas quando você pega o jeito as coisas ficam um pouco melhores, mas isso é só um passo. Você terá que administrar a velocidade com o direcional pra cima e para baixo para aumentar e diminuir a velocidade e evitar bater ou sair da pista. Isso é fundamental, o resto é pegar o ritmo das pistas e onde acelerar e reduzir a velocidade. Em pistas com curvas mais acentuadas as coisas se tornam mais complexas.  




Em 1990 o jogo ganhou uma versão para Game Boy e ganhou localização ocidental,coisa que a versão Nes não teve. O jogo se tornou popular no Dynavision (porque vinha com o console) e nos multijogos piratas e na memória do videogame Polystation. 

F1 Race é um jogo desafiador, mas para que deseja uma experiência mais realista ou mais fácil não vai agradar muito.

Se você gostou do artigo compartilhe, ajude com meu trabalho e caso tenha algum produto que interesse nos banners do meu blog, acesse. Ajude a monetizar minha página e manter o blog. 






15 agosto 2017

Dicas e Truques Polystation


Trauma para uns, nostalgia para outros. Assim posso definir o Polystation. Lançado entre 2001 e 2002 o console clone do Nintendinho que copia o Playstation fez parte da realidade de muitos gamers jovens e os enganou com seu disfarce irreconhecível. Eu estava muito querendo achar um Famiclone (nome dado aos clones do Nintendinho no seu nome oriental Famicom), porém perdi as esperanças de achar um decente, eis que apareceu um famigerado Polystation em bom estado por 10 reais. Como não tinha nada a perder e eu tenho peças que poderiam servir nele eis que fui pegá-lo:


Ele veio acompanhado do cabo A/V e uma fonte. Eu sai no último domingo feliz com a aquisição.

O grande problema desses videogames é que todo material dele é frágil. De melhorzinho só mesmo a estrutura do console. Assim que cheguei testei a fonte e vi que estava ruim tinha uma fonte de Dynavision parada aqui e testei a mesma, e vi que funciona o que é muito bom. As fontes desses aparelhos são bem leves e com conectores de baixa qualidade a recomendação é que evite o uso delas e consiga uma de Dynavision com algum vendedor piedoso, a minha saiu por 10 reais depois de uma choradinha básica numa caçada que fiz faz um ano atrás. Não se preocupe com a diferença de voltagem 9V/500mah da fonte do console contra 9V/350mah da fonte da Dynacom funciona muito bem:


Agora vem os controles. Não tinha controle do console somente controles de coleção como o de um X Play Vintage que não consegui ressuscitar e de um DVD Game da Tronics. Os dois passaram no teste de compatibilidade vejamos a seguir:


Me apaixonei por esse controle, era pra ser o controle mais popular dos Famiclones dos anos 90 pequeno (do tamanho de um controle de Master System) e com a disposição dos botões de ação excelente os botões A e B são turbo o C  e o D são botões de ação normal. Só tome cuidado na hora de encaixar esses controles no conector do videogame pelo aspecto frágil de ambos (controle e console).





O do Xplay também é compatível, mas não me simpatizei com ele pelo layout os botões de ação A B e C  funcionam como A, B e AB do Nintendinho e os de cima são turbo. O D Pad (direcional digital) é de melhor qualidade que o do Tronics, mas o fio é ruim do mesmo jeito: curto e frágil. Como o controle anterior ele entra meio com dificuldade tem que ser com jeito.



O mais importante o game: não confie nos 999999 games na memória do console, ás vezes a seleção de jogos é uma porcaria. Aqui eu tive a infeliz surpresa de uma seleção de jogos olímpicos (retirado do Tack n Field), F1 Race, Futebol (chamado de Fifa no Menu) e Battle City. Solução cartucho de 64 jogos da Dynacom com os clássicos eternos. Funcionou muito bem, apesar de uns Bugs sonoros no Circus Charlie e um glitch gráfico no Twinbee que não comprometeu a jogabilidade em si, mas como se trata de um cartucho a séculos parados comprado por apenas 5 reais vamos dar um desconto, talvez com uma limpadinha melhor (só tinha passado um algodão seco).


Mais algumas questões: por algum motivo o console não funciona na saída R/F testei com um cabo preto que liga direto na TV, mas A/V pegou bem, mas não rola com o seletor de áudio e vídeo que compartilho meu DVD e Videocassete (sim, sou tiozão):


Espero que com essas dicas eu tenha ajudado com as dicas que eu passei. Comente, curta e compartilhe minha postagem nas redes sociais. Ajude meu trabalho, até.


14 agosto 2017

Caso Marinha #11 : Ufa !


Olá pessoal venho aqui mais uma vez comentar o meu caso na justiça relativo a pensão militar e seu conturbado processo de restabelecimento que virou uma ação da União Federal contra mim. Pois bem, depois de entrar em recurso através da justiça gratuita para defesa contra a sentença onde você pode acompanhar as postagens aqui.  Pelo que pude entender a parte autora (União Federal) esqueceu de apresentar as provas de pagamento do valor da minha pensão. Se eu me lembro bem foi justamente isso que aconteceu no meu outro processo, onde a mesma tentou recuperar o dinheiro, porém sem os comprovantes de pagamento ela não conseguiu entrar com a ação.

Eu lembro que fui enrolado pela Advogada que disse que iria fazer uma petição na época para tentar reverter quando posteriormente fui consultar um amigo, também advogado, era que o processo foi encerrado sem a resposta da União com comprovação dos pagamentos do valor que exigido pela mesma. Acabaram dando um jeito de recorrer e no final tiveram o mesmo resultado na segunda instância. O placar está o seguinte: ganharam na primeira e eu aparentemente ganhei na segunda. Não sei como vai ser agora.

Aqui fica o número do processo, caso algum entendido tenha mais informações lembrando que não sou advogado e vou tentando interpretar o que acontece: 0142238-55.2014.4.02.5110